Violência contra as mulheres: o passado ressoa no presente

Até aparentes avanços têm origens machistas: garantia ao aborto em caso de estupro, nos anos 40, era para proteger moral da família. O viés machista da Justiça precisa ser enfrentado. Um manifesto pelo direito à vida das mulheres.

Neste 25 de novembro, Dia Latino-Americano e Caribenho de Combate à Violência Contra as Mulheres, lembramos dos desafios que ainda estão colocados para que meninas e mulheres, cis ou trans, vivam uma vida sem medo de serem violentadas, agredidas ou assassinadas.

O aumento do número de casos de violência doméstica e sexual durante a pandemia é um triste retrato de uma sociedade que nos impõe o medo. Dia após dia, os noticiários nos lembram que pais, padrastos, tios, avós, são potenciais agressores. O lar pode não ser um espaço seguro, uma realidade que contradiz a necessidade de isolamento social que ainda temos.

Ler

About Giorgio Bertini

Research Professor. Founder Director at Learning Change Project - Research on society, culture, art, neuroscience, cognition, critical thinking, intelligence, creativity, autopoiesis, self-organization, rhizomes, complexity, systems, networks, leadership, sustainability, thinkers, futures ++
This entry was posted in Violence, Women and tagged , . Bookmark the permalink.